O que não foi falado na DevCon: Como realmente funciona uma DAO

7 minuto(s) de leitura

Atualizado em:

Escrito em 19.11.2019 por Jake Yocom-Piatt, Decred Project Lead

O tópico das organizações autônomas descentralizadas está ecoando alto e claro dos corredores da DevCon deste ano para o CryptoTwitter. Vários projetos na DevCon, incluindo Aragon e MolochDAO, apresentaram seus compromissos de descentralizar o poder em uma DAO ou um grupo organizado por regras codificadas como um programa de computador. As DAOs são transparentes e controladas pela comunidade, e não por uma autoridade centralizada, como governo, banco ou corporação.

A chave para a formação de uma DAO é a organização em torno de um propósito ou missão específica. Por exemplo, Aragon está organizada para permitir novos tipos de organizações soberanas. A MolochDAO existe para financiar a infraestrutura do Ethereum. A missão da Decred DAO é permitir a soberania direta sobre o protocolo, construído para ser uma reserva de valor sustentável e de longo prazo.

Com base na minha experiência, gostaria de compartilhar quatro lições de DAO de-leadership, que correspondem aos quatro aspectos necessários para realizar o objetivo de uma DAO bem-sucedida: 1) liderança humilde que se autodenomina como o projeto cresce; 2) financiamento livre de interesses especiais; 3) desenvolvimento ativo; e 4) forte participação da comunidade na tomada de decisões.

Lição #1 — Abandone a postura hegemônica

Os líderes precisam abandonar seus egos e se afastar.

Os egos são perigosos quando você está tentando descentralizar, pois tendem a se apegar à sua própria importância e poder. No entanto, um líder deve ser capaz de desapegar e, com o tempo, abrir mão de todo o controle para a DAO. Por exemplo, atualmente estamos descentralizando o controle do tesouro, e a comunidade já vota para determinar o processo de alocação de orçamento. Muitos fundadores ultrapassam suas autoridades ou criam um pequeno grupo de tomadores de decisão que mantêm o controle centralizado - mais um comitê central de planejamento. Mesmo projetos respeitados como a MakerDAO lutam para colocar o poder diretamente nas mãos da comunidade. É um exercício contínuo de confiança na inteligência coletiva da comunidade, em vez de procurar um fundador, especialista ou oráculo. Sem a renúncia ao poder, a DAO permanece centralizada e não há certeza de que sobreviva além da vida do fundador.

Lição #2 — Consiga suporte financeiro adequado

Você precisa de financiamento para o desenvolvedor e para o projeto.

No momento, o financiamento de projetos geralmente vem de entidades corporativas, ou seja, capital de risco, fundações, ICOs ou similares e até indivíduos que depositam fundos em troca do poder de voto. Com o financiamento normalmente vindo de sistemas financeiros legados, novos métodos são necessários para garantir um financiamento sustentável nessas águas desconhecidas. Não existe infraestrutura, não temos modelos para emular; portanto, as DAOs devem abrir caminho, superar barreiras e encontrar soluções criativas. O sistema atual não vai cair sem lutar, como vemos na Libra do Facebook, mas a resistência é inútil. A descentralização já está acontecendo.

A MolochDAO é um exemplo de um modelo de benfeitoria para o financiamento de desenvolvedores do Ethereum. Ainda não se sabe se resistirá ou não ao teste do tempo. As iniciativas de financiamento comunitário são uma maneira de evitar os capitais de risco que precisam de retorno do investimento. As DAOs estão se tornando uma nova maneira de os membros da comunidade apoiarem um projeto, embora os capitais de risco também possam participar. Com o Decred, temos um tesouro de autofinanciamento contínuo, derivado de 10% de cada recompensa em bloco, usado para despesas de todo do projeto.

A longo prazo, soluções mais amplas fazem mais sentido porque são sustentáveis. Descentralizar um tesouro, adicionar privacidade ou criar uma troca descentralizada contribuem para a saúde do projeto a longo prazo. Nenhuma dessas iniciativas gera retornos imediatos e nenhuma delas provavelmente seria financiada se a fonte de financiamento dependesse de realizar ganhos no curto prazo. Esses projetos definem a direção de longo prazo da DAO e do ecossistema mais amplo que eles desejam construir. O retorno desses investimentos em infraestrutura está em um horizonte de décadas e, para os pacientes, produzirá um valor incomensurável.

Lição #3 — Seja adaptável: mantenha o desenvolvimento constante

Uma DAO bem-sucedida é como uma máquina que funciona sem problemas, mas ainda sofre alguns solavancos.

O compromisso técnico necessário para criar uma DAO bem-sucedida é monumental. Muitos projetos falam sobre o desenvolvimento de novos recursos ou atualizações, mas, na realidade, eles não têm um plano completo para recrutar e reter o talento certo para o desenvolvimento. O Ethereum, por exemplo, é uma enorme camada básica de finanças descentralizadas e aplicativos descentralizados, mas seus longos atrasos no desenvolvimento significam que outros projetos construídos sobre ele também estão em um padrão de espera aguardando resultados. Em seu blog no ano passado, a Aragon disse que: “Tornar as organizações atualizáveis ​​é essencial, para que possam durar tanto tempo quanto a blockchain Ethereum durar (ou até mais do que o Ethereum)”. Para isso, é necessário desenvolvimento ágil e adaptável. Se a camada base de um projeto apresentar problemas, poderá criar sérios problemas como as alterações na camada base do Ethereum que causaram problemas nos contratos inteligentes da Aragon.

Em vez de tentar dirigir um navio em movimento lento, as DAOs precisam dar autonomia aos colaboradores individuais para se moverem rapidamente. O Decred emprega contratados independentes para desenvolver recursos, de modo que geralmente conseguem avançar mais rapidamente nos projetos que mais lhes interessam. Por exemplo, uma equipe de desenvolvedores ágeis criou nosso primeiro aplicativo de carteira móvel, enquanto outro grupo apaixonado por segurança desenvolveu nosso lançamento inicial de privacidade há alguns meses.

Lição #4 — Deixe a comunidade decidir

Ações falam mais do que palavras.

Os participantes de uma DAO ficarão desprovidos de direitos sem a soberania distribuída entre eles. Vemos isso o tempo todo na política em forma de apatia quando os eleitores não acreditam que sua voz é importante. Os membros de uma DAO devem ter poder real, não apenas a capacidade de comentar sobre decisões, ou pior - não tendo nenhuma plataforma para se engajar. Quanto maior a participação na tomada de decisão ou na votação, mais justo será o resultado e mais saudável será a DAO.

Quando se trata de votar em uma DAO, há duas maneiras: os votos podem ser diretos ou delegados. Voto delegado não é diferente da democracia representativa, onde um grupo seleto poderia agir facilmente em seus interesses pessoais ou de curto prazo, em vez de benefício de longo prazo para toda a comunidade. Tomemos a EOS por exemplo: somente neste ano, milhões de dólares em lucros estão indo para um grupo seleto de produtores de blocos que também controlam grande parte dos votos delegados, auto-eleitos, sem qualquer consideração real ao seu comportamento ou mérito. Não é assim que uma DAO deve funcionar e é contrário à saúde da rede.

Participação direta garante que todas as partes estejam desenhando um futuro que funcione a longo prazo. A votação direta significa que os indivíduos têm forte soberania e devem viver com as consequências de suas decisões, enquanto sistemas delegados significam que os membros da DAO não estão realmente investidos. Em vez disso, eles estão simplesmente apostando na esperança de ganhar dinheiro. No Politeia do Decred, um sistema de proposta de gerenciamento de projetos ancorado na blockchain, os indivíduos têm uma voz real. Eles não apenas debatem publicamente as propostas, mas seus votos determinam se as propostas são ou não implementadas. Em seu primeiro ano, a participação média dos eleitores na Politeia foi de 31,2%, com sua maior participação representando a maioria da comunidade, com 51,7% dos votos. Até o momento, nenhuma proposta deixou de atingir 20% do quorum. Esta é a soberania direta em ação. Ela trabalha para atrair os eleitores, é mais justa e mais descentralizada.

Incentivos importam: motivando as massas

No final, criar uma DAO significa ser o pioneiro em território desconhecido. Mas estamos juntos nisso e o melhor caminho a seguir é alinhar as motivações e incentivos das diferentes partes que participam da DAO. Isso significa que o design inteligente da gênese é crucial, mas também é um exemplo transparente e uma colaboração com outras DAOs no processo de aprendizado. Os sistemas de incentivo corretos e as formas eficazes de participar permitirão que nossas comunidades realizem suas visões para a DAO.

Em 2020, espero uma maior investigação sobre as DAOs usando voto delegado e maior trabalho de envolvimento das comunidades em geral. Tudo indica que será um ano emocionante, e pretendo continuar deixando de lado minha autoridade até que a inteligência coletiva seja tudo o que restar.